Historial

Uma Companhia de Dança

Na tradição hermética, Amalgama é a mistura alquímica de metais pobres com Mercúrio (mensageiro divino), para que se processe a purificação desses mesmos em vista à extracção do Ouro e da Prata; no seu significado corrente é sinónimo de confusão, mas também, peculiarmente, uma fusão de gentes de diferentes qualidades e oriundas de diversos lugares.

Com a divisa de difundir a Arte numa visão holística e universalizante, no intuito de sensibilizar o público para uma realidade mais onírica e humana, a Amalgama tem vindo a propor uma forma alternativa de viver a Dança. Tenta fazê-lo através dos seus espectáculos, fundamentados em princípios estético-artísticos muito próprios, tal como pelo seu trabalho perante a comunidade em geral, nas suas mais variadas especificidades.

Os espectáculos são concebidos tanto para palco, como para espaços exteriores, ou itinerantes, são sobretudo sensíveis a locais onde se encontrem respectivas familiaridades estético/artísticas. Apresentam ainda um variado leque quanto ao público destinatário e são, na maioria, acolhidos tão bem por jovens e crianças, como por adultos, pois além de serem caracterizados pela sua mensagem onírica e simbólica, são também sempre de cariz universal e familiar. Uma das nossas maiores apostas tem vindo a ser as criações multidisciplinares, em locais e lugares imbuídos de marcos arquitectónicos histórico-culturais, e de arquétipos das forças da natureza viva.

Os Workshops de Dança da Amalgama são, no seu fundamento, directamente inspirados na linha de Dança Habilitativa (conceito de dança dirigido a toda a comunidade em geral, com ou sem necessidades especiais) subdividindo-se em grupos de trabalho mais específicos, incluindo grupos portadores de incapacidades motoras ou mentais, idosos e crianças entre outros. Acreditando que através da dança seja proporcionada uma melhor promoção de capacidades próprias e melhor expressividade de si com a consequente melhoria da comunicação com os outros e o meio, a Amalgama desenvolveu uma metodologia específica, conseguida após diversos processos de análise do trabalho em campo, adaptada aos diferentes grupos que sejam propostos. Esta é uma base de trabalho em contínuo processo e evolução, permeável a outras correntes pedagógicas, princípios e linguagens que lhe sejam complementares.

Mas a companhia nasce em 2000 com o objectivo fundamental de desenvolver, promover e descentralizar a dança aliada a outras artes cénicas, enquanto estrutura de criação artística e de expansão pedagógica e sociocultural. De carácter profissional e de iniciativa não governamental, foi subsidiada pelo Ministério da Cultura / Instituto Português das Artes do Espectáculo e pela Câmara Municipal de Mafra. Desenvolveu protocolos de âmbito artístico e pedagógico com diversas instituições tais como a Câmara Municipal de Mafra (dando continuidade ao projecto de desenvolvimento da Escola de Dança de Mafra, 16 anos de existência), Escola Superior de Medicina Tradicional Chinesa onde desenvolve parcerias artísticas e pedagógicas – Núcleo de Artes -, Fundação Henrique Leote (Convento de São Paulo, Serra d’Ossa, Redondo) com uma programação anual – o Espaço Arcana –, Liga Portuguesa de Deficiência Motora – Criação Dança integrada. OCRE – Associação para o Desenvolvimento Cultural do Alentejo, Vo’arte – Dança em espaços urbanos, Orquestra do Norte (criações para Orquestra e Operas), Museu do Mundo, Teatro Ibérico – Programação, entre outras.

Tem desenvolvido um forte trabalho itinerante a nível nacional e estabelecido projectos de continuidade com diversas câmaras e locais de notáveis características histórico/culturais. Quanto a estes locais históricos, com os quais estão em estudo diversos projectos de criação (de residência e instalação), destacamos a Quinta da Regaleira, Monasterio de La Cartuja de Cazalla (Sevilha), Palácio Nacional de Mafra, Convento de São Paulo, Palácio Nacional da Pena, Convento de Cristo, Convento de São Francisco, Convento de Stº António, Palácio e Jardins de Monserrate, entre outros.

Ao longo de 13 anos de existência a Amalgama estreou cerca de 30 criações artísticas e cerca de 60 Workshops, passando pelas seguintes Câmaras / locais: Mafra, Lisboa, Tomar, Guimarães, Idães, Portalegre, Stª Maria da Feira, Oeiras, Algés, Sesimbra, Entroncamento, Leiria, Coimbra, Cascais, Sintra, Vila Real de Santo António, Portimão, Évora, Caldas da Rainha, Ericeira, Redondo, Arraiolos, Vila Viçosa, Monsaraz, Estremoz, Figueira da Foz, Alcobaça, Aveiro, Cazalla de la Sierra (Sevilha), Loulé, Lagos, Tavira.

Destacamos as seguintes produções artísticas:

As criações em residência no Convento de São Paulo, Redondo, um espaço de programação anual e co-produção – Espaço Arcana – com “ARCANA” (Out. 02), “Mutações” (Out. 03), “Venite in Silencio” (Out. 04), os primeiros espectáculos de dança realizados numa igreja em Portugal. Outras realizações deste espaço foram; o filme Arcana, uma longa-metragem baseada na criação do espectáculo com o mesmo nome, o livro Venite in Silencio, editado a quando da estreia e de criação permeável e simultânea à do espectáculo.

O “TABLAO DO FADO” (Jan. 03), o primeiro espectáculo de dança numa casa de fados, uma co-produção com a Taverna do Embuçado, das mais antigas casas de fados do país.

O “SINGULAR” (Dez. 03), na Culturgest, uma parceria artística com Plural-LPDM, um criação que integra bailarinos com múltiplas deficiências motoras.

O “AESTAESIS” (Mai. 04), no Convento de Mafra, um culto ao belo que compila material criativo de outros trabalhos e de elementos essenciais nas criações da Amalgama.

O “REINO DOS SERES IMAGINÁRIOS” (Jul. 04), no Jardim do Cerco em Mafra, uma criação itinerante, que enfatiza a realidade do imaginário colectivo dos contos e lendas, tal como do espaço onírico e imaginário da Natureza.

O “MATER” (Jul. 06) no Convento de Cristo em Tomar, um espectáculo inspirado na alquimia da transformação e no eterno feminino símbolo de matriz de onde tudo nasce.

A “A ALEGRIA DAS ROSAS” (Jun. 08) no Convento de Mafra, um espectáculo inspirado em pontes entre Portugal e o Japão, na Morte, no Mar, nas Rosas, na Vida…

A Opera “LHANTO” de Maurice O’Hana (Jul. 08) com a Orquestra do Norte, estreia em Amarante no Museu Amadeo de Souza Cardoso.

“DNA” (Jul. 2008), abriu o FESTIVAL CIÊNCIA NA RUA – um convite e uma iniciativa do Centro de Ciência Viva, em colaboração com a Universidade de Évora e com direcção artística de PIA – Projectos de Intervenção Artística, CRL. Criação original foi especificamente concebida para ser dançada e interpretada numa escadaria de Monumento da Cidade.

“A MAR“ (Mar. 2009), como ligação e ponte fonte, Amar como um Mar, em eterno e fluido movimento. Congresso para a Paz, Evento Macau/China, entre outras actuações. Em Dez 2011 é recriado e apresentado em Macau com elenco misto Chinese e Portugueses – na Grande Parada de Macau.

“O ACASO” (Jul. de 2009), abriu o FESTIVAL CIÊNCIA NA RUA – Ano de Darwin, um convite e uma iniciativa do Centro de Ciência Viva, em colaboração com a Universidade de Évora e com direcção artística de PIA – Projectos de Intervenção Artística, CRL. Criação original foi especificamente concebida para ser dançada e interpretada dentro de Água, em Lagos.

“FILHOS DA LUA E SOL” (Jul. 10). Fala-nos do cruzamento do espaço e do tempo, interior e exterior, do casal alquímico dentro de nós – seres alados ou meninos, elementais ou deuses, corpos da mesma semente, seres de Lua e Sol, Filhos das Estrelas, entre as duas colunas reajustando-se…Cavaleiros do Universo. Uma criação viajante de intensa sensibilidade estética, que parte da arquitectura geométrica dos lugares.

“TERRAS DA LUA” (Ago. 10) A Amalgama é pioneira na abertura de mais um espaço de programação em Dança em Monumentos e templos da Natureza, numa parceria com Monte da Lua, Parques de Sintra. Criação multidisciplinar especificamente pensada para Monserrate, no seu contexto romântico e ibérico árabe, onde seres do imaginário colectivo e mitológico se manifestam em celebração e comunhão nas obras da natureza viva e arquitectónica.

“CHAMO-ME SATIE COMO TODA A GENTE OU TERNAMENTE AS TECLAS BRANCAS” (Abr. 2011) Esta criação pluridisciplinar desafia a música, a poesia, o video, as artes plásticas e a representação a um único corpo pulsante. Sob Inspiração de Eric Satie os artistas co-criadores permitir-se-ão deixar assombrar pela música, pelo texto, pela imagem, pelo movimento, pela plasticidade cénica e pelos sentimentos a redescobrir.

“BLIMUNDA SETE LUAS” (Jul. 2011) Inspirada na personagem feminina de “Memorial do Convento” de José Saramago, esta criação é uma reflexão expressão do sentido do feminino, da mulher que se nos revela em Sete Luas, sete passos, sete blocos, sete expressões, nas sete mulheres que compõem esta criação. É um hino à essência do feminino desejado eterno e livre.

“LAVOISIER” (Nov. de 2011), criado para o FESTIVAL CIÊNCIA NA RUA – Ano da Química, um convite e uma iniciativa do Centro de Ciência Viva, em colaboração com a Universidade de Évora e com direcção artística de PIA – Projectos de Intervenção Artística, CRL.

“A MAR Macau” – Estreia em Macau integrada na Grande Parada de Macau de 20 de Dez, uma criação pluridisciplinar construida em Macau com elenco misto Sino Luso.

“DIÁSPORA” – Estreia em Lisboa Dez 2012, Nova criação com música original e tocada ao Vivo, sobre a Viagem Cultural da Diáspora por onde a Lusofonia passou, à procura do Novo Continente, no encontro da unidade nas diferentes culturas ou uma outra que nasce do cruzamento de todas no Portal da Alma Humana.

“A CHANCE FOR LIFE” (Nov. 2013) – Directora Artística da Companhia é convidada pelo Festival Fringe de Macau para criar uma peça original SiteSpecific com Dança e Musica num Jardim Chinês, com excelentes críticas na imprensa em Macau de Hong Kong e Taiwan.

“DIÁSPORA Macau” (Mai. 2014) – Apresenta o Espectáculo “Diáspora” em Macau, no Casino Sands, por convite da Casa de Portugal de Macau inserido nas Comemorações do 25 de Abril.

“TABLAO DO FADO E RE VIVAL Macau” (Mai. 2014) – Apresenta no XV Festival de Artes de Macau duas criações UNITYGATE Platform of Cultural Exchange.

“TABLAO DO FADO” (Jun. 2014) – no Panteão Nacional, no dia de Portugal e das Comunidades.

“REFLECTIONS” (Set.2014) – co-criação Sino-Lusa no âmbito do Unitygate 2014, com Direcção Artística de Sandra Battaglia e Stella Ho com música original de Rui Filipe Reis.

“DIÁSPORA” (Dez. 2014) – apresentada no Palácio Nacional de Mafra.

“COMBOIO DE NATAL NA FLORESTA MÁGICA” (Dez. 2014) – em parceria com Tapada Nacional de Mafra e ETPM – 1ª Criação Eco Human Land Art.

“UNITYGATE” (2011/2015) – Portal de União pela Arte – Pontes entre o Oriente e Ocidente numa Plataforma anual de Intercâmbios culturais. Amalgama é criadora e produtora do Projecto Unitygate que se realiza todos os anos desde 2011 em Portugal e em Macau, estendendo-se a mais países a cada ano que passa.

Vertente Formativa e Pedagógica

Na Amalgama, a vertente Pedagógica e Formativa tem sido igualmente, tão desenvolvida e difundida, quanto a vertente Performativa. A Amalgama desenvolveu uma metodologia própria a que damos o nome de Movimento Amalgama. Foi criado o ALMA Núcleo de Artes (nascido de uma parceria com Escola Superior de Medicina Tradicional Chinesa – ESMTC), espaço de formação artística e auto desenvolvimento, onde é apurada esta metodologia, com aulas regulares, anuais, abertas ao público em geral, oficinas e seminários.

De 2003/2006 desenvolveu aulas e criações regulares com a Liga Portuguesa de Deficiência Motora e Workshops dirigidos a várias Instituições pelo país dedicadas à Educação Especial e Portadores de Deficiência.

De 2005 a 2009 integrou a disciplina de “Práticas Energéticas e Criativas” que faz parte do curriculum dos quatro anos de formação da Escola Superior de Medicina Chinesa.

Em 2006, a Companhia foi convidada a criar uma estrutura curricular de “Movimento Amalgama” e integrá-la no “Projecto Humanos”, projecto da comunidade europeia, de reabilitação e integração social de jovens mães, instalado no Hospital Júlio de Matos – onde o seminário de Dança Movimento Amalgama, fez parte da formação.

Em 2007, o Espaço “Aesthesis”, espaço holístico de terapias alternativas e de formação holística, em Lisboa, convidou a Amalgama a desenvolver oficinas de “Dança Movimento Amalgama”.

Em 2007/8 e a convite do município, a Companhia desenvolveu um projecto de formação de um Curso de Dança em Loulé.

Em 2009 iniciou o projecto Amalgama Plataforma Escolas – Programa e Rede de monitores para as Actividades de Enriquecimento Curriculares, Música e Desporto, do Agrupamento de Escolas de Bucelas.

Em 2010/11 desenvolveu os primeiros workshops intensivos para Formação de Monitores de Dança Criativa, segundo o método Movimento Amalgama.

Em 2011/12/13 desenvolveu os primeiros workshops intensivos para Formação de Monitores de Dança segundo o método Movimento Amalgama e o Curso Intensivo AMA – Aprofundamento Movimento Amalgama.

Em 2011/12/13/14 em Macau desenvolveu workshops de Movimento Amalgama dirigidos a grupos locais nas áreas da Dança e do Teatro. Inserido no Projecto UNITYGATE – Intercâmbio Cultural ENTRE O Oriente e o Ocidente.

Em 2011/12/13 abre a sua segunda Escola em Mafra, Mahara – Escola de Artes, onde associadas às Oficinas de Dança, a Companhia realiza um conjunto de Oficinas Alternativas, envolvendo outras áreas artísticas ou de desenvolvimento pessoal, coordenadas por elementos que partilham dos mesmos princípios e fundamentos da Amalgama.

Em 2012/13, inicia os Workshops sobre a re qualificação da Essência Eterna do Feminino e Masculino e o resgate da Unidade, integrando matérias do Movimento Amalgama, com Paulo Brito.

Em 2012/13, é criado o AMA – Curso de Aprofundamento Movimento Amalgama, com Blocos de formação anual.

Em 2014 desenvolve um estudo de Plano de Formação em Dança a implementar em Macau.

Em 2014 desenvolve o primeiro Curso de Formação Movimento Amalgama nos Açores.

Dá início ao RETIROS AMALGAMA espaço de formação e desenvolvimento pessoal nas áreas da Arte e Saúde – CUIDAR EM ARTE por vários locais do país.

Assim, através de uma acção artística, pedagógica e comunitária, criou-se uma rede de programas dirigidos a toda a população, independentemente da idade, capacidades físicas e mentais ou qualquer condição social e cultural. Acreditamos que a Dança a todos deva chegar com o que de mais essencial possui, fazendo-se “experimentar” com uma nova consciência sobre o papel da Arte nas nossas vidas.

AlSandra BattagliaDirectora da Amalgama